quarta-feira, 9 de abril de 2008


A espantosa realidade das coisas

É a minha descoberta de todos os dias.

Cada coisa é o que é,

E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,

E quanto isso me basta.

Basta existir para se ser completo.

Tenho escrito bastantes poemas.

Hei de escrever muitos mais. naturalmente.

Cada poema meu diz isto,

E todos os meus poemas são diferentes,

Porque cada coisa que há é uma maneira de dizer isto.

Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.

Não me ponho a pensar se ela sente.

Não me perco a chamar-lhe minha irmã.

Mas gosto dela por ela ser uma pedra,

Gosto dela porque ela não sente nada.

Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.

Outras vezes ouço passar o vento,

E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.

Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;

Mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem estorvo,

Nem idéia de outras pessoas a ouvir-me pensar;

Porque o penso sem pensamentos

Porque o digo como as minhas palavras o dizem.

Uma vez chamaram-me poeta materialista,

E eu admirei-me, porque não julgava

Que se me pudesse chamar qualquer coisa.

Eu nem sequer sou poeta: vejo.

Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:

O valor está ali, nos meus versos.

Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.

Alberto Caeiro


Há algum tempo que não registava aqui nenhuma poesia.

Hoje porém a ocasião é especial, já que se trata dos anos da Gi, blog que frequento já há algum tempo, bastante antes de ter este meu Registos.


No passado fim de semana, quando passeava pelo Jardim da Estrela, tropecei com a Feira de Arts and Crafts, cuja data me escapa sempre, e onde comprei esta Aguarela. Na altura achei que daria para um post “à Gi”. Hoje, no entanto, quando me apercebi que eram os anos da Gi, decidi que seria não só um post à Gi como também para a Gi.


Foi fácil escolher o poema, já que este me diz bastante, a imagem já cá cantava (mesmo que resulte um bocadinho mal...) e só faltava a música. Ainda pensei por alguma do Tord Gustavsen. Mas achei que já as devias conhecer todas, portanto optei por uma versão do Amazing Grace que considero bonita, de um músico que gosto bastante: o Charlie Haden, neste registo com a Charlie Haden Liberation Music Orchestra. Espero que gostes.
Parabéns Gi!

10 comentários:

Carminda Pinho disse...

Leonor,
peço desculpa por só hoje vir agradecer a sua visita.
Mas parece que vim em bom dia, ou noite, pois este oema de Alberto Caeiro que não conhecia, é de uma singeleza e de uma beleza excelentes.

Aproveito também para me associar nos votos de Parabéns à Gi, que não conheço, mas um dia destes passo por lá.

Beijos

Leonor disse...

Carmina Pinho

Ora essa, esteja à vontade. O poema é muito bonito sim, ainda bem que passou por cá hoje, e quanto à Gi, vale a pena a visita é um blog muito bom.

beijos

Gi disse...

Se gostei? Não. Adorei Leonor!
A agurela é de uma singeleza e de uma graciosidade tremenda, do poema do mestre nem me atrevo a comentar, sabes como gosto dele.
A música fizeste bem em escolher esta porque os Tord estive a vê-los ao vivo e a cores no Mundial.
No final fomos surpreendidos por um cocktail oferecido pela Embaixada da Noruega , não estava no programa :) nada mau para um dia de anos . Um beijo grande e mil vezes obrigada, é contigo e com pessoas como tu que eu vou agarrar a garra que por vezes me falta para continuar.

Vou responder aos restantes comentários. Este é o primeiro que escrevo numa semana . Outro beijo

Mocho-Real disse...

O Alberto Caeiro dos sentidos e da ausência dos sentires, do ser por ser e não por se sentir.
Um dos melhores poemas? como é difícil avaliá-los! Prefiro lê-los, apenas.

A aguarela parece-me bem bonita.

Saudações.
Jorge P.G.

Blue Velvet disse...

Ora, Ora,
que lindos presentes:)))
Faço anos em Fevereiro :)))
Gostei muito dos presentes e dogesto.
beijinhos e veludinhos

Teté disse...

Então Parabéns (atrasados) à GI - "mocinha" da minha idade...

De resto, gostei do gesto, do poema e da aguarela! Resumindo, de tudo!

Jinhos!

Leonor disse...

Gi

eu sabia que devia ter comprado bilhete para o tord... mas enfim fui deixando passar os dias e a preguicite foi-se instalando. tb não podemos ir a todos...
Ainda bem que gostaste, tive todo o gosto em fazer.

beijinhos

Leonor disse...

Caro Jorge

ah, sim, nem me atrevo nunca a escolher o best of (de nada, aliás). tenho pena que a aguarela não resulte muito bem porque é bonita, mas enfim...

bom fim de semana

Leonor disse...

Blue

fica registado... mas como o Natal é quando um homem quer (não gosto particularmente desta frase, mas enfim, o conteúdo é verdadeiro)não precisará de esperar até lá... ando aqui a magicar... umas coisas...

beijinhos

Leonor disse...

Teté

ora ainda bem que gostaste.

bsj

PS - ainda ninguém disse nada da música... não gostaram???