quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Escrever


Sempre que começa o ano escolar dou por mim a pensar se é desta vez que os miúdos deixam de aprender a escrever bem; isto é, se deixam de praticar caligrafia.
Com o mundo moderno tão cheio de computadores e de ofertas ao nível digital, a verdade é que a letra manuscrita vai progressivamente perdendo terreno perante essa uniformização dos caracteres impressos, que tanta gente prefere.
Mas nem sempre foi assim, claro, e a aprendizagem da escrita, num mundo não tão longínquo quanto isso, passava pela postura do
corpo e mão, desenho minucioso das letras maiúsculas e minúsculas (e de diferentes famílias de letras), aprendizagem do modo de preparação do instrumento de escrita e também pela preparação da própria tinta.
Aqui têm duas das imagens que, a própósito da Arte da Escrita, aparecem na Enciclopédia de Diderot & d'Alembert.
São apenas dois exemplos dos muitos que se escreveram sobre a escrita e o seu ensino, onde as variantes nos respectivos manuais de aprender a ler e escrever se identificavam pelo tipo de Escrita próprio de cada país, pelas suas característiacs próprias.
A eles voltaremos mais tarde ou mais cedo. A escrita é um mundo fascinante. Em todos os sentidos

12 comentários:

Antunes Ferreira disse...

Nônô

A) No próximo concurso do Travessa do Ferreiro, vai a tempo e horas, a ver se ganhas... juízo. Hahahaha

B) Dideror & d'Alembert: Só tu te lembravas disto. Muitos parabéns. Belíssima alembradura. Fez-me feliz por recordar velhos tempos - e fez-me bué da bem. Obrigado.
Qjs

Teté disse...

Se fossem só os miúdos...

Eu própria noto que como escrevo muito menos à mão, a letra já não me sai tão certinha e regular, tenho de me concentrar para o fazer, quando antigamente saía assim espontaneamente...

Sinais dos tempos, certamente!

Beijoca, Leonor!

BlueVelvet disse...

Que engraçado lembrar isto.
Recordo-me de ter começado a escrever naqueles cadernos que tinham duas linhas e tínhamos que colocar as letras lá dentro.
Nem por isso agora a minha letra não deixa de ser um gatafunho pegado que às vezes nem eu entendo.
Mas o que lamento mesmo é termos deixado de escrever com canetas de tinta permanente.
Tenho paixão por canetas e acho lindo escrever à mão com elas.
Enfim, sinais dos tempos.
Beijinhos e veludinhos azuis

blogxuxu65 disse...

Escrever à mão, escrever no computador, escrever no telemóvel, escrever, escrever... Tão bom escrever, apesar de se utilizar cada vez menos a caneta e o papel!
Porém, LER é fundamental e será que se lê o suficiente hoje em dia? Não! Resta-nos a esperança de que os jovens sejam cada vez mais motivados para a leitura e a escrita. Um bom escritor tem de ser antes um bom leitor. Parabéns pelo blog.Beijinho.Conceição Garvão

Lyra disse...

Lamentavelmente não me tem sido possível visitar este blog com tanta assiduidade quanta ele merece e que eu gostaria.
Fica, no entanto, a promessa de um regresso em breve para uma leitura pormenorizada.

Até lá ficam os desejos de tudo de bom e um excelente fim de semana.
Beijinhos e até breve.

;O)

P. S. - Nunca me esqueço de ti!

Jorge P.G disse...

Perante o quadro actual de pouco exercício da escrita à mão, verifica-se uma padronização no desenho dos caracteres que já pouco distingue a letra "de médico" da letra "de merceeiro".
Mas pior é a grafia sincopada e fonética das mensagens de telemóvel, a fazer-me por vezes crer que, se por qualquer razão estes aparlhómetros deixassem de prestar serviça de MSM, estaríamos com certeza de regresso à comunicação à distância feita por fumos.

Quem ler testes escritos por alunos, mesmo do Secundário, facilmente confirmará o que aqui digo.
Preocupante? Ou apenas se caminha para uma total mudança da Língua escrita imposta pela modernidade?

Um bom domingo para si.
Jorge P.G.

Leonor disse...

Caro Henrique

Pois não torno a deixar passar o prazo...

E porque não trazer aqui A enciclopédia. tanta wikipédia para aqui e para ali (que tb uso, claro, de vez em quando sabe bem voltar aos clássicos

beijinhos

Leonor disse...

Teté

pois é, com os portáteis e a progressiva desmaterialização de todo e qualquer documentos, vai deixar de se escrever à mão...

eu por exemplo, ainda gosto de escrever a lápis os meus apontamentos, quando estou a trabalhar, e, pessoalmente, acho que é melhor escrever à mão do que directamente no PC (manias minhas, claras), mas na verdade estamos a caminhar para uma sociedade sem escrita manuscrita...

beijinhos, boa semana

Leonor disse...

Blue

também me lembro desses cadernos, que acho aliás já não que já não são usados... mas durante muito tempo foram-no...

Em relação às canetas de tinta permanente, não poderia estar mais de acordo: e há umas que são verdadeiramente bonitas!!! em tempos ainda pensei fazer colecção de canetas de tinta permanente... quem sabe um dia

veludinhos

Leonor disse...

Olá Conceição, bem vinda aqui ao Registos

É verdade, se escrever (pelo menos à mão) é uma espécie em vias de extinção, esperemos que ler não o seja.
É certo que aqui as novas gerações têm outras atracções no domínio do audiovisual que não raras vezes são bastante mais apelativas mas... custa-me acreditar que a leitura em si alguma vez desapareça, nem que seja por obrigação...

Boa semana, um beijinho

Leonor disse...

Lyra

vem quando puderes, serás sempre bem vinsda

beijinhos

Leonor disse...

Caro Jorge

levanta uma questão interessante, esse dos mundos das msm: nunca percebi quem se dá ao trabalhar de escrever com outra grafia nas msm.
aliás ao principio quando comecei a receber mensagens assim nem as percebia, mas lentamente lá me fui habituando, que remédio.
então em miúdos, imagino que o requinte ainda seja maior, mas ainda virão realmente tempos de novos dicionários...
(e também pergunto para quê???)
os professores de todas as disciplinas deveriam pontuar o português, na minha modesta opinião

Boa semana