quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Já repararam na Sá da Costa?



Para quem não está a ver, mesmo com estas fotografias, retiradas daqui, estou mesmo a falar da nova (velha) Livraria Sá da Costa.

Depois de ter sido comprada pela Fundação Agostinho Fernandes, que irá inaugurar também uma nova Buchholz já no próximo dia 11, a Livraria Sá da Costa abriu ao público, não só com um horário compatível com quem trabalha (das 10h às 23h) como também tem a venda os fundos do catálogo Sá da Costa. Aqueles mesmos que já não se conseguiam encontrar/comprar…


O meu passeio de hoje encantou-se com a Colecção Sá da Costa infantil, com textos de Maria Isabel César Anjo e ilustrações de Maria Keil.

Aqui fica uma do livro sobre o Inverno.

Em que é o tempo
em que sabe bem
estar à lareira
e ouvir contos.

Vale a pena ir espreitar!



10 comentários:

L.Reis disse...

A ideia de um horário alargado é genial!! Tenho que ir espreitar!

Teté disse...

Não me calha muito "em caminho", mas obrigada pela dica, que qualquer dia vou lá espreitar... :)

Jinhos, Leonor!

Vieira Calado disse...

Boas notícias.
Aí trabalhou o meu amigo João Canena
a quem devo o, praticamente, me ter aberto as portas ao conhecimento de outros autores.
E ter prosseguido escrevendo.

Cumprimentos

Rafeiro Perfumado disse...

Isto é a loja do Chiado? Passo lá várias vezes, mas confesso que sou mais atraído pela FNAC e Bertrand...

Beijo!

MCA disse...

Ora aí está uma boa notícia! E uma boa "desculpa" para dar um saltinho ao Chiado da minha juventude a aonde agora vou tão pouco.

Quanto ao comentário na BdJ, já respondi.

Leonor disse...

L. Reis

Não sei se é apenas espirito natalicio, mas que é muito bom, lá isso é. E vale a pena!!!

Leonor disse...

Não deixes de ir espreitar, Teté, tem óptimos livros, com boas introduções a preços de saldo.

beijinhos

Leonor disse...

Vieira Calado

Então o benefício foi mútuo (e nosso também)

Boa semana!

Leonor disse...

Ah Rafeiro, mas não tem nada a ver...

ousa entrar!!

beijos

Leonor disse...

Clara

Vale a pena, por todos os motivos e mais alguns. E é, de facto, voltar ao Chiado. Sem centros comerciais, passeando pela rua...