terça-feira, 3 de junho de 2008

Saramago e as histórias infantis

Através do Bruno Eiras, do Entre Estantes, eis uma dimensão de José Saramago pouco usual:

E se as histórias infantis fossem de leitura obrigatória para os adultos?
Seríamos realmente capazes de aprender o que há tanto tempo vimos a ensinar?

Aqui está um tema interessante, com um vídeo, narrado por Saramago (em espanhol), não menos interessante. Vale a pena o visionamento.

E, já agora, conseguem narrar ou aprender?

22 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

minha praia, pois traduzi Perrault e Andersen e fui até premiada. AS histórias que aprendi quando criança não têm nada a ver com a crueza das histórias que eu traduzi, porque estas foram recolhidas diretamente do oral, e amenizadas, mas não muito. Percebi que aquilo da infãncia foi uma burla. Mas vá ao meu espaço e conversmos mais. Postei sobre Excalibur. Vá ao meu blog. wwwrenatacordeiro. blogspot.com/
não há ponto depois de www
Bj,
RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO

Paulo Tomás Neves disse...

Embora não goste do escritor, do que escreve, nem da pessoa, reconheço que é um incontornável referência cultural e que nem tudo o que diz ou escreve me repugna :-)

A animação está excelente e o boneco é bem mais simpático do que o homem.

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Esta muito bom seu trabalho ,adorei, gosto de vir a seu blog, aqui esqueço do tempo, e fico, dando um tempo para degustar suas palavras.
Fiz postagem nova, apareça por lá. Um grande abraço. marthacorreaonline.blogspot.com

Rui disse...

Aprendendo, narrando. Inventando.

Jorge P.G disse...

Sempre se aprende, narrando ou lendo.

Saudações.
Jorge P.G.

Teté disse...

Adorei, Leonor! A história, o desenho animado, já quanto ao Saramago estar a falar espanhol... bem... com um sotaque bem português, eh, eh, eh!

Mas sim, devíamos de aprender mais com aquilo que pretendemos narrar, sem assimilar...

Jinhos!

Lyra disse...

Peço desculpa pela minha ausência...mas às vezes a vida dá voltas inesperadas e o chão parece que nos foge... Torna-se necessário “recolhermo-nos” um pouco, fugir do mundo e fazer uma introspecção profunda. É isso que tenho feito e por isso não te tenho vindo visitar...

A verdade é que me sinto no meio das trevas, onde sorrio à vida, como se conhecesse a fórmula mágica que transforma o mal e a tristeza em claridade e em felicidade. Então, procuro uma razão para esta alegria, não a acho e não posso deixar de rir de mim mesma. Creio que a própria vida é o único segredo...

Quando estiver mais...animada...voltarei aqui...

Beijinhos e desculpa

Jorge P.G disse...

Deixo-lhe hoje um simples abraço, Leonor.

Bom fim-de-semana.
Jorge P.G.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Ontem, fui a uma livraria e vi o Saramago para crianças. Lembrei-me de vc. Vc nem foi no outro meu post e venho pedir algo. Desculpe-me, mas tive de fazer um novo post hj, tão perto do anterior, porque essas resenhas serão publicadas pela USP dentro em breve, então tenho que correr. Peço a sua compreensão e que vc ponha um comentário, caso contrário não haverá publicação.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um beijo,
RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO

BlueVelvet disse...

Cada vez mais estou a ler literatura para crinaças.
Quem me viciou nisso foi a Fa.
Bom domingo e veludinhos azuis

legivel disse...

Para contar (narrar) uma história infantil não será necessário frequentar um curso de artes do palco. Saramago é o exemplo vivo disso na actualidade (embora falte saber a opinião de los niños españoles... ) e, anos antes, eu próprio tive essa experiência com as histórias que a minha avó me contava.
As histórias infantis, ao serem escritas por adultos, perdem de imediato toda a piada. Se eu agora tivesse quatro ou cinco anos, seria eu mesmo a inventar histórias para os meus amigos. Uma delas, teria um início mais ou menos assim:

"Era uma vez uma terra com pessoas muito grandes que queriam à viva força contar histórias aos mais pequenos como se soubessem que histórias é que nós gostamos mais. Para saberem isso, era preciso serem tão pequenos como nós. E não são e não se lembram quando foram... "

A aprendizagem passa por aí: ter necessidade de voltarmos a ser crianças.

Óptima semana.

Leonor disse...

Cara Renata

A vantagem das histórias infantis é que todos, na realidade podemos falar sobre elas: já fomos crianças, já ouvimos, já lemos, se calhar já inventámos...
E certamente que as histórias infantis têm muito que se lhe diga...

bsj

Leonor disse...

Paulo

O Saramago é, sem dúvida, um autor difícil, e não só pela forma da escrita.
A mim custou-me, confesso, tomar a decisão de o ler, após uma primeira incursão no Memorial do Convento mal sucedida. Acabei por o fazer com um livro pouco falado: Todos os Nomes e o saldo não podia ter sido mais positivo.
Tenho acompanhado, naturalmente, a sua vida e claro que existe, de alguma forma, uma pessoa àspera, seca. Mas penso que coerente com a vida que teve.
O boneco é de facto bem mais simpático... e fica estranho a falar espanhol, acho eu...

Bom feriado

Leonor disse...

Olá Martha, como vai?

Ainda bem que gostou, volte sempre

Já lá passo, então, como dabe, também gosto bastante do seu, aprendo sempre...

beijos, boa semana

Leonor disse...

Rui

De ti não tenho dúvidas nenhumas que o faças. E a invenção (ou imaginação) tem aí um papel muito importante...

(conheces as ideias do Leonel Moura sobre criatividade?)

Boa semana

Leonor disse...

Caro Jorge

Também não tenho dúvidas que o faça. Narrando, onde a memória também tem um papel previligiado e o ensino o seu destino final, ou lendo, essa salvaguarda do nosso pensamento para os vindouros

Tenha uma boa Semana (e feriado)

Leonor disse...

Teté

Tens razão, o Saramago fala espanhol com um indiscutível sotaque português... nem chega a portunhol...

mas mostra um lado infinitamente humano.

bsj, boa semana

Leonor disse...

Lyra

Resposta, depois dxa resposta (sem dar por isso - my mistake) : és sempre bemvinda, é sempre sentida a tua falta, sente-te á votade para entrares e saires quando te apetecer.

beijos, boa semana

Leonor disse...

Caro Jorge

muito obrigado e desculpe a minha ausência

Boa semana

Leonor disse...

Blue

Também me acontece o mesmo. Não conheço a Fa, vou ver se remedeio

beijos, boa semana

Leonor disse...

Legível

Também é verdade: lembro-me que, quando era pequena, adorava contar histórias à minha irmã mais nova, e inventava sempre, partindo de uma mesma base (uma árvore e um coelho).

Hoje em dia, vejo poucas pessoas inventarem, limitam-se a ler, e ás vezes, de uma maneira francamente pouco apelativa...

Narrae/escrever para crianças ou jovens´tem mais que se lhe diga, não é só tratarmos por tu o interlocutor, como alguns autores parecem achar...

Boa semana

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Realmente amiga, é ótimo, assim como seu blog, que virou uma mania minha. Aqui respiro cultura,e atualidades. Fiz postagem nova,apareça por lá.Um abraço do sul